Pênis curvo congênito: por que ocorre e é preciso operar?

Pênis curvo congênito: por que ocorre e é preciso operar?

O pênis curvo congênito é uma deformação que afeta cerca de 3% dos homens. Presente desde o nascimento, é comumente percebido na puberdade e tem o diagnóstico adiado devido ao constrangimento de muitos rapazes em discutir o quadro com os pais.

Diferente da doença de Peyronie ou tortuosidade causadas por traumatismo e fraturas, ele está presente desde o nascimento. Não causa dor e nem é acompanhado por nódulos, mas pode ser operado caso cause desconforto ou incômodo no ato sexual.

Visando esclarecer as principais dúvidas, elaboramos um conteúdo que explica o fenômeno, esclarece as suas causas e apresenta as principais soluções ao problema – quando passa a ser um problema. Acompanhe!

O Pênis curvo congênito

Antes de introduzirmos ao distúrbio e suas causas, é preciso destacar que muitas das curvaturas penianas devem ser consideradas normais. É comum que o pênis apresente uma tortuosidade de 30º, para a direita ou esquerda, sem maiores consequências.

Somente é considerado pênis curvo congênito àqueles que superam os 45º e que, embora não causem dor cotidianamente, como pode ocorrer na doença de Peyronie, podem aparecer no momento do ato sexual algum incômodo ou constrangimento.

O pênis curvo congênito é consequência de uma condição genética. Os homens nascem com a curvatura e normalmente a percebem durante a puberdade, quando ocorre o desenvolvimento peniano e as ereções tornam-se mais frequentes.

A doença de Peyronie, traumatismos e fraturas são diferentes, pois, são adquiridos ao longo da vida e por poderem vir acompanhados de nódulos, além de provocar desconforto, dor e dificultar na manutenção da ereção.

É comum que os diagnósticos para o pênis curvo congênito sejam adiados devido ao constrangimento de jovens em discutir a questão com os seus pais.

Porque o pênis curvo congênito ocorre

Para que ocorra a ereção e rigidez do pênis, é preciso elasticidade e complacência dos tecidos. Ele expande em todas as dimensões quando preenchido por sangue. Em um pênis onde não há a curvatura congênita, os tecidos são simetricamente elásticos e a ereção é “reta” (ou até 30º).

Nos casos congênitos, há uma assimetria congênita dos corpos cavernosos, com aumento da complacência dos tecidos de apenas um lado, ou seja,  quando um dos lados é maior e mais elástico que o outro. A tortuosidade ocorre para cima, para baixo, ou um dos lados.

É preciso operar o pênis curvo congênito?

Não necessariamente. Quando o ângulo de curvatura não é tão elevado, não é necessário buscar por soluções cirúrgicas. Porém, há problemas associados a uma curvatura mais acentuadas, como:

  • Dificuldade, dores ou impossibilidade de penetração;
  • Dores e desconforto para o parceiro (a);
  • Restrição à poucas posições e movimentos sexuais;
  • Formação de fibroses do lado contrário à curvatura;
  • Ejaculação precoce em consequência da sensibilidade na glande;
  • Disfunção psicogênica, causada pelo medo, vergonha e perda na autoconfiança.

As correções do pênis curvo congênito

As técnicas variam de acordo com a forma, tipo e grau de curvatura. As principais utilizadas são:

  • STAGE

Essa técnica realiza pequenas incisões no membro, seguidas de mini suturas que corrigem a curvatura sem afetar o tamanho do membro durante e após o procedimento. O tamanho é pouco afetado se considerarmos o tamanho do pênis em ereção com medida do pube a ponta da Glande antes do procedimento. Alguns casos podem apresentar pequenas perdas, como 0,4cm. Não há risco de disfunção erétil e também pode ser utilizada em casos de Peyronie estável com curvaturas em apenas um plano.

  • Nebit

Aqui temos o tratamento clássico desses casos, mas pouco utilizado quando o cirurgião conhece a técnica Stage. Com Nesbit pode haver abertura dos corpos cavernosos e a presença de suturas é mais ostensiva, permanecendo mais aparente do que geralmente se deseja. A redução do tamanho também pode ser observada com maior frequência. A cada 30o de curvatura estima-se perda ou ajuste do lado maior de cerca de 1,6cm.

  • Enxertia

Voltada a casos de curvatura mais acentuada e quando o paciente possui grande preocupações com o tamanho. Esse procedimento manipula o lado da curvatura com a colocação de um enxerto para deixa o pênis finalmente reto. Trata-se de procedimento agressivo e mais complexo. Nenhum paciente do Instituto Peyronie recebeu indicação para esse procedimento dada a possibilidade de disfunção erétil decorrente da cirurgia, além de outras complicações.

O tratamento do pênis curvo congênito dependerá da gravidade de cada caso. Por isso, consulte um especialista e descubra o procedimento mais indicado a seu caso.

Leia Mais

Ondas de Choque para Disfunção Masculina e Curvatura de Peyronie. Recuperação Sem Injeções, Sem Cirurgia.

Doença de Peyronie. O que é e Porque Aparece.

DOENÇA DE PEYRONIE E A DISFUNÇÃO ERÉTIL ESTÃO ASSOCIADAS?

Como escolher a prótese peniana? Tudo o que é preciso saber aqui.

Tratamento Clínico da Doença de Peyronie

Veja Mais Artigos >>